Bem-vindo ao Blog Falares de Portugal! 

Welcome to Falares de Portugal! 

Willkommen bei Falares de Portugal!

Inscreva-se na Newsletter
Escreva o seu nome e endereço de e-mail:
Nome:          Email:
Subscrever  Cancelar 

quarta-feira, fevereiro 22, 2006

O “chatês”

O termo “chatês“, formado à semelhança de português ou francês, é utilizado para designar a linguagem usada nos chats (conversações virtuais). Os estudos neste domínio, que tanto interesse está a despertar na linguística, são reduzidos e os que existem relativamente ao português provém quase exclusivamente do Brasil. No entanto, esta nova realidade linguística, criada como consequência da constante evolução tecnológica, está a tomar grandes proporções, abrangendo diferentes níveis da sociedade, e apresenta um desenvolvimento e características interessantes que merecem uma maior análise e atenção dos linguistas.

Numa perspectiva conceptual, o “chatês” enquadra-se na categoria do falado (tendo em conta o continuum falado/escrito) e permite, através da escrita, uma comunicação (quase-) simultânea, directa e contextualizada, que se caracteriza por uma grande rapidez na realização, à semelhança da espontaneidade da língua falada. Os “falantes de chatês” encontram-se numa sala de comunicação virtual, conhecida por chatroom, que permite até a participação em vários “ramos” conversacionais ao mesmo tempo. A sequência das informações digitadas é controlada de forma técnica. Aquele que primeiro digita a informação, aparece também em primeiro no ecrã. A possibilidade de comunicação directa e simultânea só é garantida se os participantes estiverem ao mesmo tempo no computador.

No que se refere às características do “chatês” verifica-se uma forte tendência para a utilização de expressões simples, curtas e de carácter informal. Denota-se também a preferência por construções paratácticas, com frases pouco estruturadas e sem limites claros, o que se justifica pelo curto prazo de planificação da informação transmitida. Tendo em conta o nível de experiência, tanto o receptor como o produtor estão sob uma espécie de pressão de tempo para poderem acompanhar o desenvolvimento da conversação, isto porque em muitos chatrooms, com o acumular das informações digitadas, estas desaparecem do ecrã rapidamente.

Texto de Regina Danner (Protocolo do seminário "Português Falado", do dia 30.01.06. Para mais informações consultar seminário - 30.01.06 em portuguesfalado.com.sapo.pt)

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home